sexta-feira, 4 de maio de 2012

" A vida também me pergunta"...

Um dia a vida se pôs a caminhar pelo mundo. Ela andou, andou, até que encontrou um homem. Este homem tinha os membros tão inchados, que mal podia se mexer.
-Quem é você? - perguntou-lhe o homem.
-Eu sou a vida.
-Se você é a vida, então pode certamente me curar- retrucou o homem.
-Sim, eu quero curar você-disse a vida. - Mas você em breve me esquecerá e também de sua doença.
-Como eu poderia esquecer de vocês! exclamou o homem.
-Está bem, eu voltarei em sete anos, então veremos -disse a vida.
Então salpicou o homem com a poeira do caminho, e ele se curou.
Então a vida prosseguiu a sua caminhada e se aproximou de um hanseniano. Ele também perguntou: -Quem é você? - Eu sou a vida.
- A vida? falou o doente. - Então você poderia me fazer saudável.
- Eu posso fazer isto respondeu a vida. Mas você vai esquecer-me e da sua doença!
-Eu com certeza não me esquecerei de você-prometeu o portador de hanseniase.
-Pois eu voltarei em sete anos e aí nós vamos ver. -disse a vida.
E polvilhou o hanseniano com a poeira do caminho, e ele ficou imediatamente curado.
Mas uma vez a vida prosseguiu sua caminhada. Depois de alguns dias ela encontrou um cego.
-Quem é você? perguntou o cego.
-Eu sou a vida.
A vida? - grita o cego em júbilo.- Por favor, então devolva a luz aos meus olhos! - Eu quero fazer isto. Mas você me esquecerá e de sua cegueira muito em breve.
-Eu não esquecerei certamente de você - prometeu o cego.
-Então está bem, eu voltarei em sete anos, aí veremos - respondeu a vida.
E salpicou também o cego com a poeira do caminho, e o homem pode ver de novo.

Quando os sete anos se passaram a vida passou de novo pelo mundo. Ela se transformou em um cego e foi primeiro ter com a pessoa a quem ela havia dado a visão.
-Se for possível, deixe-me passar a noite em tua casa- pediu a vida.
-Mas o que é que você está pensando? -gritou o homem.- Desapareça! Era só o que me faltava, que qualquer aleijado se estirasse aqui.
-Você vê - disse então a vida.- Há sete anos você era cego. Naquela ocasião eu te curei. E você me prometeu nunca esquecer de sua cegueira e nem de mim.
Então a vida pegou um pouco da poeira do caminho e a espalhou sobre as pegadas desse homem mal agradecido. E naquela mesma hora o homem voltou a ser cego. Então a vida prosseguiu. Ela chegou até onde se encontrava o homem que ela a sete anos libertara da hanseníase. A vida transformou-se em um hanseníano e pediu abrigo ao homem.
-Sai fora! - gritou o homem.- Você vai acabar me contagiando!
-Você vê disse a vida. Há sete anos eu te curei da hanseníase. Naquela ocasião você me prometeu que nunca me esqueceria nem a sua doença.
Em seguida, a vida pegou um pouco a poeira do caminho e a espalhou sobre os rastros do homem. No mesmo momento o homem foi novamente atacado pela hanseníase.
Finalmente a vida se transformou em um homem cujos membros estavam tão inchados que ele quase não podia se mover. E visitou também aquele homem que ela há sete anos havia curado em primeiro lugar.
-Eu poderia passar a noite em tua casa? - perguntou-lhe a vida.
-Com prazer, entre, pobrezinho! sente-se! eu vou fazer alguma coisa para você comer. Eu posso me colocar em seu lugar. Pois eu também já tive uma vez os meus membros tão inchados assim. Já faz sete anos que a vida passou por aqui e me curou. Naquela ocasião ela disse que voltaria depois de sete anos. Espere aqui até que ela cheque! Talvez ela também ajude a você.
-Eu sou esta vida - disse então a vida.
-Você foi o único dentre todos, que não se esqueceu de mim, nem de sua doença. Por este motivo você deve permancer sempre saudável. Quando se despediu do bom homem, a vida ainda disse:

" A VIDA MUDA CONSTANTEMENTE. MUITAS VEZES A FELICIDADE TRANSFORMA EM INFELICIDADE, A MISÉRIA SE TRANSFORMA EM RIQUEZA, E O AMOR VIRAR ÓDIO. NENHUM HOMEM DEVERIA ALGUM DIA SE ESQUECER DISSO."(Um velho conto africano)

Nenhum comentário:

Postar um comentário